Diário Supremo
O seu site do dia a dia!

Comida ou lanche? Brasileiros ficam com fome para economizar após alta em tarifas

São Luís foi a capital com o maior valor R$ 51,91. Isso se dá porque existem poucos estabelecimentos e o alto custo de transporte de alimentos

Nova Mutum, 07 de julho de 2022, por Vitoria Maximo – Se alimentar fora de casa ficou 17,4% mais caro para trabalhadores brasileiros. Em suma, pesquisas realizadas pela ABBT “Associação das Empresa de Benefícios ao Trabalho” demonstram que o aumento maior desse valor foi na pandemia. 

De antemão, segundo dados levantados, uma refeição estava custando em média no Brasil R$ 40,64 durante os meses de fevereiro e abril. Contudo, pesquisas apontam que antes da pandemia do COVID-19, nos meses de dezembro a fevereiro de 2019, que o valor da refeição era R$ 34,62. Mais informações relacionadas a notícia, você encontra Diário Sp.

Refeições prontas por R$ 30,59

Foram analisados quatro tipo de refeições prontas. O modelo comercial e padrão que envolvem os alimentos mais básicos estava custando R$ 30,59. Assim, este foi o valor mais baixo registrado pela ABBT, esse valor foi gasto em 22 dias úteis, somando R$ 672,98 ao mês.

Prato pronto almoço (Reprodução Pixabay)
Prato pronto almoço (Reprodução Pixabay)

Ademais, no segundo prato, tinham os serviços la carte, custando R$ 64,83. Esses pratos são encontrados em ambientes mais requintados. Os clientes podem escolher o que comerão e a comida é feita na hora. Então, um gasto desse, em 22 dias úteis, acrescentaria R$ 1.426,26.

Sobretudo, os outros pratos seriam serviços “self service” e refeições executivas, com uma média de valores entre R$ 35,91 e R$ 50,23. Similarmente, na modalidade self service, se encontram estabelecimentos com refeições de um valor equivalente ao seu quilo.

Prato self service (Reprodução Pixabay)
Prato self service (Reprodução Pixabay)

 

Região Sudeste regista maior preço de refeições, segundo ABBT

Desse modo, os estudos da ABBT ainda registram que os preços são variados de acordo com cada região e cidades nos estados brasileiros. Em outras palavras, o Sudeste teve o preço mais alto, com uma média de R$ 42,83, e a região Centro-Oeste registrou o menor em R$ 34,20. 

ABBT "Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador (Reprodução Pixabay)
ABBT “Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador (Reprodução Pixabay)

 

São Luís foi a capital com o maior valor R$ 51,91. Isso se dá porque existem poucos estabelecimentos e o alto custo de transporte de alimentos. Dessa forma, então, há uma maior procura e poucas opções.

Por fim, Goiânia registrou o menor preço, R$ 27,94, e conforme levantamento da ABBT, se deve à região onde se localiza a capital. Desta forma, a capital de Goiânia está próxima às regiões onde existem vários produtores de alimentos.

Dados por cidades: ABBT "Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador (Reprodução Pixabay)
Dados por cidades: ABBT “Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador (Reprodução Pixabay)

 

Com isso, alguns brasileiros deixaram de se alimentar com comidas e passaram a consumir lanches como salgados, sanduíches e pães. De tal forma, em média, foram registrados valores entre R$12,52 e R$ 15,70. Portanto, muitos deixaram de comprar pratos prontos, substituindo por lanches com menos custo benefício e poupando de gastar mais dinheiro com comida.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler mais