Diário Supremo
O seu site do dia a dia!

Condôminos do prédio incendiado em SP autorizam demolição

Região está interditada desde domingo por risco de colapso

São José dos Campos, 14 de julho de 2022, por Marcos Eduardo Carvalho – Condôminos do prédio de 10 andares que pegou fogo no centro de São Paulo na noite do domingo (10) autorizaram a demolição do mesmo. Isso porque o imóvel corre risco de desabamento e a prefeitura defendeu a implosão do mesmo.

Entretanto, como o prédio é um imóvel particular, a administração pública iria precisar de uma autorização da Justiça. Contudo, como os comerciantes e condôminos do prédio autorizaram a demolição durante uma assembleia extraordinária, essa ação não será necessária.

Agora, o grande temor é um colapso do prédio e um desabamento repentino, colocando em xeque a segurança das pessoas nas proximidades. Até por isso, a rua Barão de Duprat, onde fica o prédio, segue interditada. E o Diario Sp vai falar um pouco mais sobre o assunto.

Sem permissão para entrar no prédio

Além disso, os bombeiros já não podem mais entrar no interior do prédio, justamente por conta dessa possibilidade de colapso. Inclusive, a corporação informou que extinguiu o fogo na manhã desta quarta-feira (13). Agora, existem apenas os rescaldos e um perigo quase inexistente de o fogo recomeçar.

Por isso, um caminhão do Corpo de Bombeiros segue na rua e os profissionais monitoram o local. Embora o prefeito Ricardo Nunes (MDB) defendesse inicialmente a implosão, isso não vai acontecer. Apenas a demolição convencional.

No caso de uma implosão, os gastos seriam maiores e também precisaria de um trabalho mais elaborado de engenharia. A prefeitura já realizou esses procedimentos em outras ocasiões, como no incêndio do prédio da Cesp, em 1987, na Avenida Paulista.

O secretário municipal de Infraestrutura e Obras da prefeitura de São Paulo, Marcos Monteiro, disse que o cenário ideal é uma demolição mecânica. Até pela dificuldade em se colocar explosivos dentro do prédio.

Bombeiros paralisam controle do incêndio em São Paulo por risco de desmoronamento. Foto: Canva
Bombeiros paralisam controle do incêndio em São Paulo por risco de desmoronamento. Foto: Canva

Prejuízo no incêndio

No total, o incêndio que começou no prédio de dez andares na rua Barão de Duprat atingiu o total de cinco imóveis na região. Com isso, diversos comerciantes ainda não contabilizaram o prejuízo com as perdas no local.

Por exemplo, uma loja de brinquedos, a Matsumoto, de, um andar, ficou totalmente destruída pelo fogo e desabou. Assim, o prejuízo foi total.

No entanto, quem também sofreu foi a Igreja Ortodoxa, construída em 1904. Ela teve 80% de suas dependências também destruída pelo fogo. Além disso, perdeu documentos importantes e históricos, que contavam um pouco da história da religião no Brasil.

Enquanto isso, os demais comerciantes da rua e das redondezas também seguem sem poder trabalhar, pois, a região está interditada. Inclusive a região da rua 25 de março, principal comércio popular de São Paulo.

Por lá, passam consumidores e pequenos comerciantes de várias partes do país para fazer compras de produtos a preços mais baratos. Agora, o movimento foi prejudicado.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler mais