Diário Supremo
O seu site do dia a dia!

São Paulo inicia obras de R$ 179 milhões na zona sul para combater enchente

Projeto também prevê melhorias na mobilidade urbana da capital paulista

São José dos Campos, 01 de agosto de 2022, por Marcos Eduardo Carvalho – Os moradores da região de Capão Redondo, zona sul de São Paulo, aguardam a conclusão das obras anti enchentes da prefeitura, que iniciou os trabalhos nesta última semana. Contudo, o trabalho, que também atinge outros bairros, com Vila Andrade e Campo Limpo, vai demorar 36 meses, ou seja, três anos para ficarem prontas.

No entanto, o pacote vai custar R$ 179 milhões aos cofres públicos e se trata de um projeto ambicioso para tentar acabar de vez com os problemas de enchentes na região. Assim, englobando outros locais como o Jardim São Luís, o serviço engloba a drenagem e também a mobilidade urbana da região.

Segundo estimativas da própria prefeitura, mais de 879 mil moradores da região devem ser beneficiados com essas obras, que já começaram. E o Diario Sp vai falar um pouco mais sobre o assunto.

Estrutura do projeto para combater as enchentes

De acordo com o projeto previsto pela administração, um novo reservatório de 192 mil metros cúbicos vai tentar dar vazão à água da chuva. Assim, a esperança é acabar, definitivamente, com os alagamentos que tanto causam transtornos em toda a cidade.

Assim, o tamanho desse espaço é o equivalente ao tamanho de 77 piscinas olímpicas, e vai auxiliar em toda a região do chamado ‘Morro do S’, onde existe uma bacia hidrográfica. Além disso, a prefeitura promete canalizar 3 quilômetros do córrego Água dos Brancos.

São Paulo inicia obras de R$ 179 milhões na zona sul para combater enchente. Foto: Canva
São Paulo inicia obras de R$ 179 milhões na zona sul para combater enchente. Foto: Canva

 

Além desse projeto, a prefeitura de São Paulo ainda fala em fazer mais 14 reservatórios semelhantes nos próximos anos ao longo da capital paulista. O atual projeto existe desde 2015, mas apenas agora entrou em prática, na administração do prefeito Ricardo Nunes (MDB).

Enquanto isso, o secretário municipal de Infraestrutura Urbana e Obras da prefeitura de São Paulo, Marcos Monteiro, disse que deverá haver o máximo de agilidade para tentar terminar a obra. Contudo, por conta da complexidade do projeto, a obra não vai ficar pronto para o próximo período de chuvas.

Ao menos vai iniciar agora durante o período de estiagem, com poucas chuvas na Capital. Desta maneira, a prefeitura poderá agilizar parte do projeto nos próximos dois meses, quando recomeça o período de chuvas na cidade de São Paulo.

Mobilidade urbana

Além da questão das enchentes na região sul da Capital Paulista, a obra também promete contemplar melhoria na mobilidade urbana. Por exemplo, o projeto prevê a construção de 3,3 quilômetros de prolongamento da avenida Carlos Caldeira Filho.

Assim, vai conseguir interligar o terminal rodoviário do Jardim Ângela até a estação de metrô do distrito de Capão Redondo. Além disso, a região vai receber dois novos viadutos, de 160 metros cada. Com isso, a obra quer resolver os gargalos do trânsito e também acabar com as enchentes na região.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Ler mais